Convidado(a): Profa. Dra.Leonor Werneck dos Santos (UFRJ)
Mediador(a): Ana Lúcia Tinoco Cabral

RESUMO

Neste trabalho, analisamos os processos referenciais presentes em notícias publicadas em jornais on line, como O Globo, Folha de São Paulo, Zero Hora, dentre outros. Seguindo as bases teóricas da Linguística do Texto, temos como objetivo principal verificar como os processos referenciais presentes no corpus exigem o acionamento de conhecimentos prévios, compartilhados pelo entorno sociocognitivo e cultural, para reconstruir os objetos de discurso e, assim, construir os sentidos no texto – proposta já delienada em Ciulla e Silva (2008), Morais (2012) e Cavalcante & Santos (2012).

A partir da análise, discutiremos, especificamente, os limites entre processos anafóricos e dêiticos. Pretendemos comprovar a hipótese de que a dêixis, não se opondo aos casos de anáforas diretas e indiretas (incluindo os encapsulamentos), associa-se a elas como um continuum tipológico de maior ou menor grau de deiticidade (cf. CAVALCANTE, 2000), correferencialidade e necessidade de inferências para sua compreensão. Observaremos também aspectos multimodais constitutivos dos gêneros textuais analisados para verificar as relações anafóricas e dêiticas entre os aspectos verbais e não verbais das notícias.

Segundo Mondada (2003), Koch (2004, 2008), Cavalcante (2003, 2005, 2011, 2012), dentre outros autores, por meio dos processos referenciais, a imagem do referente vai sendo alterada, à medida que se desenvolve o discurso, de forma que o desconhecimento de alguma informação pode dificultar a reelaboração dos objetos de discurso. Como a referenciação é um fenômeno sociocognitivo e fundamental para a recuperação da coerência textual, a necessidade de inferências faz parte da progressão referencial.

No caso dos textos midiáticos, há de se considerar, também, a relação entre os processos referenciais e a multimodalidade. Se tomarmos o conceito de contexto (e mesmo de cotexto) numa acepção mais abrangente, precisamos considerar que aspectos multimodais são constitutivos do sentido dos textos tanto quanto marcas explicitamente linguísticas. Portanto, para comparar as estratégias referenciais anafóricas e dêiticas, observaremos as expressões nominais e pronominais envolvidas, mas consideraremos também a própria enunciação, incluindo aspectos multimodais.